2000

O Brasil comemora os 500 anos de seu Descobrimento pelos Portugueses.

É fundado em Goiânia o curso de Artes Cênicas na Universidade Federal de Goiás. Pablo ingressa na primeira turma de bacharelado.

Nando continua lecionando teatro no Lyceu de Goiânia e participa do projeto “PCN com Arte”, um mega projeto de formação para professores de Arte, promovido pela Secretaria Estadual de Educação e o Ministério da Educação. A ação educativa conduzida pela atriz, diretora e educadora Rô Reis de Salvador, Bahia, foi dividida em vários módulos durante o ano, cada um em uma cidade do interior do Estado culminando num grande encontro em Salvador durante o evento internacional Mercado Cultural.

O grupo é rebatizado: agora é “Ritual Cia. Cênica”. O desejo de se firmar enquanto companhia de teatro, motivados por essa fase de elencos convidados e a descoberta de mecanismos de comercialização do trabalho que produziam, e ainda uma enganosa referência de modelos de organização de companhias europeias, levou à mudança no nome trazendo essa ideia um pouco fantasiosa de companhia. Uma Cia. sem estrutura para tal, como muitas outras Cias. de teatro apenas no nome. O cênico aparece no feminino “Cênica” e substituía o antigo “Produções Artísticas”, sinalizando uma verticalização nas artes cênicas maior do que o desejo inicial de trabalhar todas as artes: artes visuais, musica, cinema, literatura e tudo mais que coubesse no rótulo produções artísticas.

Montam “O NOVIÇO”, que figurava entre os livros a serem lidos para o vestibular. O espetáculo foi apresentado como “Projeto Escola” para 15 escolas públicas e particulares, tendo somente duas apresentações para público aberto no Centro Cultural Martim Cererê. “Pantomimas arlequinadas” buscam dar maior agilidade ao texto. A experiência mímica e corporal começa a ganhar alguns contornos ainda intuitivos. Nando passou a se concentrar mais na direção. No elenco, além de Pablo, atores experientes no teatro infantil como Andre Srur fazendo o noviço Carlos, Lara Brito, Marcelo de Castro, Alexandre Rudah (hoje vivendo no Rio), Maiara Pinheiro e a revelação, amiga de Pablo do curso de Artes Cênicas, Sinthya Santos como Florência.

No mesmo ano, realizam a performance O AMOR QUE DIZ SEU NOME dirigidos por Sandro Freitas do Grupo Trupicão, que trata do universo homossexual  por uma perspectiva leve e romântica através de poemas de  Oscar Wilde, Walt Whitman, entre outros. A performance arrebanhou os prêmios de melhor direção, melhor iluminação, melhor trilha sonora, melhor figurino, melhor ator(Pablo Angelino) e melhor Poesia Encenada no Festival de Poesia Encenada da Federação de Teatro de Goiás.

Nando e Pablo se maravilham com o Festival de Artes de Goiás na Cidade de Goiás e nesse ano começam a investir um pouco mais na dança e participam da Oficina de Criação coreográfica com Dani Lima.

Paralelamente, o grupo passa a experimentar projetos-escola em teatros profissionais, trabalhos de teatro-empresa, oficinas e alternativas para sobreviver.

Surge a Lei Municipal de Incentivo em Goiânia. A cada ano o grupo manda uma proposta. Ninguém lhes ensina a montar um projeto, e como ninguém tem computador, o primeiro projeto é apresentado redigido à mão. Já o segundo é apresentado datilografado na máquina da avó de Nando. Não conseguem aprovar nenhum projeto pelos próximos quatro anos.

< Voltar